Monday, March 07, 2011

Anvil em Catanduva: tempo corrige injustiça histórica



Todo mundo já ouviu, pelo menos uma vez na vida, alguém dizer que o tempo é o melhor remédio para muitos males. Atualmente, no mundo do rock, nenhuma banda é o melhor exemplo disso do que o ANVIL.

Após alcançar relativo sucesso na década de 1980, quando tocou ao lado de bandas como SCORPIONS e BON JOVI, o ANVIL caiu no esquecimento. Nem mesmo o lançamento de vários discos deu aos canadenses o tão sonhado reconhecimento. Mas, é aí que entra o tempo...


Em 2008, um documentário (Anvil! The Story of Anvil) mostrou ao mundo como essa banda, que influenciou diversos nomes consagrados do metal, não alcançou o seu próprio sucesso. O filme foi extremamente elogiado e tornou o ANVIL uma banda “cult”, renovando a admiração dos fãs mais antigos e despertando a curiosidade dos mais jovens para o trabalho dos canadenses.

A repercussão do filme foi tão positiva que rendeu ao grupo uma turnê sul-americana, com passagem inédita pelo Brasil. No dia 27 de fevereiro, em São Paulo, o ANVIL estreou em solo brasileiro ao abrir o show da banda PRIMAL FEAR.

Na quinta-feira, 3 de março, o segundo e último show dos canadenses no Brasil foi realizado na cidade de Catanduva/SP, no Armazém do Café. O evento foi realizado no meio da semana, mas quem “abriu mão” do descanso noturno não se arrependeu. Isso porque, no palco, o trio formado por Steve “Lips” Kudlow (guitarra/vocal), Glenn Five (baixo) e Robb Reiner (bateria) provou que o tempo estava em dívida com o ANVIL.


O set list foi baseado nos três primeiros discos da banda, em especial no clássico Metal on Metal. Também não faltaram músicas do trabalho mais recente, This is Thirteen, como a faixa-título e Thumb Hang.

Do início ao fim da apresentação, o vocalista Lips esbanjou carisma e atenção com o público. Na execução da instrumental March of the Crabs (que abriu o show), Lips desceu do palco e tocou no meio do público.


Mas, o grande destaque do show foi o baterista Robb Reiner, que deixou os fãs presentes empolgados com a sua performance, que incluiu um solo durante a música instrumental White Rhino.


Após 11 músicas, o trio canadense se retirou do palco para voltar aclamado pelo público e tocar Jackhammer como bis. Aliás, uma aclamação mais do que merecida, pois toda espera tem o seu preço...

SET LIST
March of the Crabs
666
School Love
Winged Assassins
This is Thirteen
Mothra
Thumb Hang
White Rhino
Forged in Fire
Mad Dog
Metal on Metal

BIS
Jackhammer



Sunday, February 13, 2011

Massacration, Panndora e Prey of Chaos agitam Armazém do Café



Massacration

A maior banda de heavy metal do mundo, o Massacration, será a atração principal da noite de 19 de fevereiro, sábado, no Armazém do Café. O evento, promovido pela Apache Records, também contará com a apresentação das bandas Prey of Chaos (Araraquara/Catanduva) e Panndora (Maringá/PR), a partir das 21 horas.
O título de maior nome mundial do heavy metal ao Massacration foi dado pelos... próprios integrantes da banda! Na verdade, essa falta de modéstia é apenas parte do humor feito pelo grupo Hermes & Renato, que começou a fazer sucesso na MTV e hoje é contratado da Rede Record (onde atua com o novo nome, Banana Mecânica).
O Massacration foi criado para "tirar um sarro" no comportamento dos headbangers (nome mais adequado para aqueles caras chamados pelo público em geral de metaleiros). A banda faz piada com o universo do metal, aparecendo sempre de "cara fechada", com figurinos espalhafatosos e se vangloriando de suas qualidades artísticas.
Apesar da sátira descarada, o Massacration foi muito bem recebido entre a maioria dos headbangers (podemos dizer que esse público entendeu a brincadeira). Prova disso é que a banda, antes fictícia, cresceu tanto que lançou dois discos e começou a fazer shows de verdade.
Mas, o humor do Massacration apenas encerrará a noite de rock em Catanduva. A primeira banda a subir ao palco será a Prey of Chaos, que apresentará toda a agressividade do seu grindcore.


Prey of Chaos

Entre a Prey of Chaos e o Massacration, haverá o show de heavy metal das garotas paranaenses da Panndora. Todas as bandas apresentarão seus trabalhos próprios, além de alguns covers.

Panndora

Os ingressos antecipados custam R$ 25,00 e podem ser adquiridos na Apache Records, Mercadiscos e CD Music. Também é possível comprar o ingresso online através do site www.apacherecords.com.br. Mais informações pelo telefone (17) 3521-4151.

Thursday, February 03, 2011

Anvil: banda envia recado aos fãs catanduvenses

A lendária banda canadense ANVIL, que se apresentará em Catanduva no dia 3 de março, enviou um vídeo convocando os fãs de heavy metal para comparecerem no Armazém do Café. Veja abaixo:


video

A tradução é a seguinte (apesar de eu ser professor de História, não de Inglês) - Oi Catanduva, Brasil! Eu sou Lips! Eu sou Robb Reiner! Eu sou Glenn Five! Somos o ANVIL e vemos vocês no dia 3 de março!

PS: Peço desculpas se cometi algum erro na tradução...

Wednesday, February 02, 2011

Anvil: ingressos à venda para show em Catanduva


Em mais uma promoção da Apache Records, a banda canadense de heavy metal ANVIL se apresentará na cidade de Catanduva no dia 3 de março, quinta-feira. O show, que tem início previsto para as 20 horas, será realizado no Armazém do Café (Rua São Paulo, 972, Vila Mota).
Os ingressos antecipados já podem ser adquiridos por R$ 50,00. Os pontos de venda na cidade são a Apache Records, Mercadiscos e CD Music. Os ingressos também podem ser comprados através do site www.apacherecords.com.br. Mais informações no site e pelo telefone (17) 3521-4151.

ANVIL
O Anvil teve início em 1973, quando o guitarrista Steve Kudlow e o baterista Robb Reiner começaram a tocar juntos em Toronto. A partir de 1978 se juntaram a Dave Allison (guitarra e vocais) e Ian Dickson (baixo). A banda possui 16 trabalhos lançados no total e se prepara para lançar o próximo. O Anvil continua na ativa e vem ganhando notoriedade: recentemente, a banda é o tema do documentário que está dando o que falar pelo mundo: “Anvil! The Story of Anvil”. O filme conta a história da banda e traz depoimentos de grandes nomes do rock como o líder do Motörhead, Lemmy Kilmister, Lars Ulrich do Metallica e Slash. Michael Moore, responsável pelos documentários mais vistos do mundo, cita o filme do Anvil como um dos documentários mais incríveis que viu nos últimos tempos.

Friday, January 28, 2011

Banda Cracker Blues apresenta "Entre o México e o Inferno" no Sesc

DA SÉRIE "MOTIVOS PARA VOCÊ SAIR DE CASA"

DIVULGAÇÃO
Formada no ano de 2000, a banda paulistana Cracker Blues apresentará as músicas do seu primeiro CD, intitulado "Entre o México e o Inferno", no Sesc/Catanduva. O show será realizado no dia 30 de janeiro, domingo, a partir das 16 horas. A entrada é gratuita.
Composto por 10 músicas cantadas em português e uma faixa instrumental (Charles Bronson Blues), o CD vai "direto na veia" de qualquer rocker: as letras abordam noitadas, bebedeiras, estradas, rejeição, motociclistas, tatuagens, mulheres ingratas e cafajestagens em geral.
A faixa do trabalho que alcançou maior projeção foi Velha Tatuagem. Ela se refere a um rapaz que teve a infeliz ideia de tatuar o nome da mulher amada no braço. Adivinhe o que aconteceu? A letra da música responde: "Eu tatuei o nome dela no meu braço/Eu tatuei até não me sobrar espaço/E aquela vaca me trocou por outro macho/No nome dela eu tatuei piranha embaixo".
Por sua vez, o som é um blues rock bastante agitado, fortemente marcado pelo uso de gaita e guitarra slide. A banda também aposta no visual, com referências aos filmes de western (chapéus, botas e coletes).
Além das já citadas Charles Bronson Blues e Velha Tatuagem, completam o CD as faixas Oração para um Ordinário, Bolero Maldito, Whisky Cabrón, Sangue de Segunda, Blues do Inimigo, Nascido em São Paulo, Tinhoso, Que o Diabo lhe Carregue e Blues 56 - Lobo do Mar.
Por trás dessas 11 faixas de muito blues, rock e country estão Paulo Krüger (baixo), Marcelo "Marceleza Bottleneck" Vera (guitarra e dobro), Paulo Coruja (gaita e vocal), Larissa Di Nardo e Fernanda Tizano (backing vocals) e Jeferson "Gaúcho do Trovão" (bateria).

PS: Tudo para ser um ótimo show! E de domingo, dia de Faustão, Gugu & Cia...

REPRODUÇÃO DA CAPA DO CD










Wednesday, January 26, 2011

Banda faz tributo ao The Clash no Sesc/Catanduva

DA SÉRIE "MOTIVOS PARA VOCÊ SAIR DE CASA"


A banda inglesa The Clash foi uma das mais influentes da história do rock. Surgiu em meio à explosão do punk rock no Reino Unido, na segunda metade da década de 1970.
Ao contrário de outros ícones punks, como Ramones e Sex Pistols, o The Clash investiu em outros ritmos. Assim, reggae, ska, funk e surf music, entre outros estilos, foram introduzidos no som dessa banda inglesa. Para completar, letras extremamente politizadas, que abordavam temas como tensões socias, ditaduras e opressão policial.
Infelizmente, hoje não é mais possível assisti-los ao vivo, já que o vocalista/guitarrista Joe Strummer morreu. A banda era completada por Mick Jones (guitarra/vocal), Paul Simonon (baixo/vocal) e Topper Headon (bateria). Terry Chimes foi baterista da banda antes da entrada e depois da saída de Headon.
Mas, nesta quinta-feira, 27 de janeiro, o Sesc/Catanduva oferecerá uma boa oportunidade para relembrarmos/celebrarmos o The Clash. A partir das 20h30, a banda Os Patrões fará um tributo aos ingleses. A entrada é gratuita.
A banda Os Patrões é um trio da cidade de Jaú/SP, formado por Rafael, Armando e Spilari. A banda está na estrada há bastante tempo e possui um elogiado trabalho próprio. Trabalho esse, por sinal, que conta com a influência do The Clash.

Portanto, você tem alguns bons motivos para sair de casa:

1) O evento é gratuito;
2) A banda Os Patrões tem experiência e sempre faz ótimos shows;
3) Você sai um pouco da frente do computador e se dá conta de que existe um mundo real;
4) Você se livra de ter que assistir a novela da Globo;
5) E você ouve The Clash, que é clássico. Melhor dizendo, é CLÁSHICO!!!





Sunday, January 23, 2011

Blaze em Catanduva: Vocalista "incendeia" Armazém do Café


O dia 22 de janeiro de 2011 entrou para a história do rock catanduvense. Nesta data, a cidade recebeu, no Armazém do Café, o vocalista de heavy metal Blaze Bayley, que passou a ser conhecido do grande público quando chegou ao posto de frontman do Iron Maiden na década de 1990.
Após sair do Iron Maiden pela "porta dos fundos" graças à incompreensão dos fãs mais radicais e intransigentes da banda (para não dizer chatos), Bayley passou a se dedicar à carreira solo. E Catanduva foi uma das cidades que recebeu a atual turnê do vocalista inglês, chamada "Promise and Terror World Tour".
Mas, a noite de rock/metal começou com o show da banda Motordrunk (de São José do Rio Preto), que cumpriu bem a missão de preparar o público para a atração principal. No repertório, clássicos como No More Tears (Ozzy Osbourne), NIB (Black Sabbath), Rainbow In The Dark (Dio) e Ace Of Spades (Motörhead). A surpresa ficou para a execução da música I Like It Hot, do Wolfsbane, primeira banda de Blaze Bayley. Aliás, o vocalista do Motordrunk, Sérgio Naza, dedicou a música para Blaze, que prestigiou a homenagem do camarim localizado na lateral do palco.


Encerrado o show de abertura, Blaze Bayley subiu ao palco por volta da 1 hora da manhã, acompanhado por Nico Bermudez e Jay Walsh (guitarras), David Bermudez (baixo) e Cláudio Tirincanti (bateria).
Durante toda a apresentação, Blaze Bayley mostrou uma garra invejável e grande performance vocal, apesar dos seguidos shows que havia realizado nos dias anteriores. Além disso, chamou atenção a humildade de Blaze, que passou grande parte do show "colado" ao público, que constantemente o alcançava para cumprimentá-lo.
Por outro lado, a plateia respondia com entusiasmo aos gestos e palmas de Blaze, tanto nos momentos mais pesados quanto nas passagens acústicas do show. O clima favorável empolgou o vocalista, que escalou as estruturas do palco para ficar em cima das caixas de som (veja a foto abaixo).


Em resumo: Blaze Bayley provou que tem ótimo vocal e belas composições para prender a atenção do público, sem ter que recorrer ao seu passado no Iron Maiden. Tanto que apenas três músicas de sua fase na Donzela de Ferro foram tocadas no show. Aliás, um grande show: heavy metal pesado e direto.

SET LIST

Blackmailer
Como Estais Amigo (Iron Maiden cover) (tocou apenas uma palhinha)
Smile Back at Death
Faceless
Waiting For My Life to Begin
City of Bones
Voices from the Past
Surrounded by Sadness
The Trace of Things That Have No Words
Letting Go of the World
Comfortable in Darkness
Futureal (Iron Maiden cover)
The Launch
Blood and Belief
The Clansman (Iron Maiden cover)
The Brave
Watching the Night Sky
Madness and Sorrow
The Man Who Would Not Die
Samurai
Man On The Edge (Iron Maiden cover)

---------------------------------------------

Texto e fotos: José Carlos Valadares Júnior
E-mail/MSN: valadaresjornal@hotmail.com
Set list tirado da comunidade Blaze Bayley (ORKUT)